Ir para o conteúdo

Andre Vieira

Tela cheia

Blog

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | No one following this article yet.

CUBA HOY No.78_ESPECIAL ELECCIONES EN CUBA

22 de Outubro de 2012, 22:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Em anexo, excelente material sobre as eleições em Cuba, que está em processo para escolha das Assembléias Municipais. Uma demonstração clara de que a ordem política, econômica e social tem o respaldo da grande maioria da população, desmentindo veementemente a incansável e onipresente postulação direitista de que se trata de um regime autocrático ou ditatorial.

Cuba é mais democrática que muitos países que se auto-proclamam democráticos, mas em cujos sistemas prevalecem o poder econômico.

CUBA HOY No.78_ESPECIAL ELECCIONESA.pdf




Líbia: Para o Clóvis Rossi

19 de Outubro de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Bani Walid centro de la verdadera revolución Libia entrega su martirio y resistencia contra el invasor imperialista …¡Hasta vencer o morir!

from Libia S.O.S by Mohamar Al Gadafi

El bombardeo a la población civil en Bani Walid deja mas
de 50 muertos y 200 heridos ¿Por que la ONU calla de manera cobarde y cómplice?

bani+walid+victimas+de+la+otan.15.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.24.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.25.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.26.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.27.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.28.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.29.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.30.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.31.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.32.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.33.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.34.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.35.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.36.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.37.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.38.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.39.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.40.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.41.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.42.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.43.jpg

bani+walid+victimas+de+la+otan.44.jpg

Popout

Popout

Libia ni olvido ni perdón

Por Purificación González de la Blanca
Colectivo Internacional Ojos para la Paz, Plataforma Global contra las Guerras.

libia+20+octubre.jpg
Hoy hace un año (20-10-2011) del brutal linchamiento y asesinato (y vilipendio hasta la saciedad de su cadáver) del Coronel Kadhafi, a manos de mercenarios de la OTAN. Con este magnicidio fue también asesinada la revolución libia, la Jamahiriya, que había obtenido éxitos tan significativos que un mes antes del famoso "pasillo aéreo", el gobierno libio había sido felicitado por la ONU por sus importantes logros sociales.

Desde entonces acá, Libia anda sumida en un caos, desaparecida como estado, invadida por miles de mercenarios extranjeros dedicados a una terrible caza de brujas, en la que las torturas y asesinatos están a la orden del día, y en donde hasta los miembros del gobierno impuesto tienen la nacionalidad estadounidense. Gran parte de ellos, incluso, viven en los EE.UU.. En Libia ondea la bandera de Al Qaeda y el pseudogobierno ha implantado la sharia. El propio presidente del Parlamento libio es norteamericano, lo que parece ser un caso único en la historia. El país que fuese rico, y con el mayor índice de desarrollo humano de toda África hoy es un montón de escombros, con sus bancos, su petroleo y sus recursos hídricos saqueados; y sus hospitales, escuelas, puertos, redes de abastecimiento de agua, rebaños, cultivos, etc., destrozados por los bombardeos de la OTAN.

Mientras esto escribo, el Presidente del Consejo Tribal Libio (es decir, el único representante legítimo de ese país) se ha dirigido a Ojos para la Paz pidiendo luz y taquígrafos -lo que con honrosas excepciones se le niega por los medios de comunicación occidentales- para poder informar del cerco a Beni Walit, y del bombardeo con gas sarín, que vienen padeciendo -y probablemente también con fósforo-, terminantemente prohibidos por la Convención de Ginebra, pero empleados generosamente en el exterminio de la tribu de los Warfala. Como recomendara el general español Enrique Ayala: "a las tribus -que no se rinden- hay que convencerlas política…o militarmente". Los hospitales están repletos de enfermos y muertos sin que nadie mueva un dedo por esta ciudad previamente marcada en la lista negra de la autodenominada "Comunidad Internacional". Las fotos son espeluznantes. Necesitan urgentemente médicos y medicamentos.

Kadhafi -como todos los gobernantes de paises petrolíferos que no se doblegaron a las imposiciones de Occidente- tuvo una permanente campaña mediática en su contra. Incluso la CIA orquestó un atentado que imputó a Libia (otro Maine), el de Lockerbie , según numerosas pruebas.

Así, periodistas escoceses revelaron que el atentado de Lockerbie, en 1988, en el que estalló sobre el cielo de esta localidad escocesa un avión de la Pan American, fue preparado en EE.UU. por agentes de la CIA. Tras largas investigaciones se declaró culpable del atentado al ciudadano libio Abdelbaset Ali Mohamed al Megrahi, condenado en Escocia a cadena perpetua y liberado por una enfermedad grave que padecía.Recientemente se supo que durante el juicio de este caso quienes testificaron contra el acusado habían sido sobornados.

La periodista escocesa Lucy Adams descubrió hechos impactantes que se ocultaron cuidadosamente: "Resulta que el Departamento de Justicia de EE. UU. pagó una gran cantidad de dinero a los principales testigos de la acusación, Paul Gauci y Tony Gauci. El último es el dueño de una tienda en Malta, que dijo que Megrahi compró ropa que posteriormente fue encontrada en la maleta donde se hallaba la bomba. Esta fue la declaración clave contra el acusado libio. Y ahora sabemos que Anthony Gauci antes del juicio necesitaba dinero desesperadamente, por lo que recibió cerca de dos millones de dólares del Departamento de Justicia norteamericano después de haber hecho su declaración", dijo en un comunicado la periodista.

"La realidad es que la Jamahiriya Árabe de Libia siempre negó haber sido responsable del atentado, estimando que estaba siendo objeto de un chantaje de las grandes potencias occidentales, pero aceptó pagar una indemnización a las víctimas, de 2.700 millones de dólares, a cambio del levantamiento de las sanciones económicas que las potencias habían decretado contra ella. Kadhafi creyó que si resolvía a toda costa los diferentes litigios existentes entre Estados Unidos y su país, podía llegar a detener los preparativos de guerra de la OTAN. La historia acabó demostrando que su cálculo era erróneo, y demostró también que a la OTAN no le falta imaginación cuando se trata de inventar nuevos pretextos para justificar las guerras que ya tiene planificadas de antemano".

En un célebre documental titulado The Maltese Double Cross-Lockerbie, el periodista estadounidense Allan Francovich demuestra también que el famoso atentado fue perpetrado en realidad por un agente de Estados Unidos.

Libia era un polo de prosperidad, con la mayor renta per cápita e índice de desarrollo humano de toda África, según el PNUD: niños escolarizados, mayor esperanza de vida (78 años), reparto de las rentas del petróleo, atención sanitaria de alto nivel, universal y gratuita, préstamos sin interés, red de abastecimiento de agua que abarcaba todo el país y que logró la plantación de millones de árboles y la creación de extensas zonas de cultivo en el desierto, vivienda reconocida como un derecho constitucional, pleno empleo mas 2.5 millones de puestos de trabajo para inmigrantes, etc. El gobierno libio había proporcionado a sus habitantes logros no alcanzados por la mayor parte de los paises europeos.

Hoy Libia es una ruina, que llora a sus 75.000 muertos, donde los libios han perdido el petróleo, las reservas de oro del Banco Central y los depósitos bancarios, de 200.000.000.000 de dólares (lo primero que robaron los USA), las pensiones, los tratamientos médicos, las becas, el empleo… Todo lo que tenían. Además se ha implantado el apartheid y la población de color -inmigrantes principalmente- son perseguidos a muerte.
Magnífica la labor de la autodenominada "Comunidad Internacional" (que tanto aplaude, por cierto, a esas monarquías feudales que aún mantienen la esclavitud). Hay que felicitar Obama y a la U.E. por la obtención de los premios Nobel de la Paz. Qué ironía.

¿Que hicieron los libios para merecer esto? Defender su independencia, tratar de mplantar su propia moneda, y tener unas importantes reservas de dinero, de oro, de petróleo y guas fósiles, codiciadas por unos países sin escrúpulos, que actúan como una peligrosa banda dedicada al terror y al pillaje, con la OTAN a su servicio. Y a España (es decir, no a spaña sino a un conglomerado de empresas que dicen ser españolas) le han adjudicado las obras del AVE La Meca-Medina, como premio por sumarse a la matanza de libios. Unas obras que, como toda Libia, chorrean sangre.

Cádiz, 20 de octubre de 2012

Bani Walid es el centro de la verdadera revolución Libia contra el invasor imperialista y sus ratas “rebeldes”

Popout

Los traidores y mercenarios de Misrata
harán un Srebrenica Para Bani Walid

Popout

Popout

Popout

Mas Fotos:

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.433129240080239.98998.213928688666963&type=1&l=6cb36ba569

Popout




Libya: Full Assault on Bani Walid Underway

18 de Outubro de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda
Having lied to the authorities in the Libyan city of Bani Walid (photo) and after a two week siege and long-distance bombardment with banned chemical weapons, the U.S.-installed regime has launched a military assault on the town

In an attempt to assert its authority over a city which never completely succumbed to the invasion of Libya, the Tripoli occupation regime’s military forces have launched an assault against Bani Walid entering the town to "assert government authority" following an unconstitutional "Resolution No. 7" passed against the city by the Tripoli regime.

The decree "resolution 7" was passed by the U.S.-installed regime headed by Megarief, a Libyan who fled Libya in 1980 and joined the CIA and returned only after the invasion of Tripoli last year, because it wants to capture or kill remaining officials of the Jamahiriya and force its authority upon the city of Bani Walid, population around 100,000.

The ground forces have begun a "full-scale assault" against Bani Walid in spite of the success of mediation efforts, which had been clearly designed only to attempt to loosen the guard of the city and gather intelligence. The operation was delayed because army units in the east of Libya including from Benghazi had refused to take part in the operation.

Numerous casualties including many deaths have been reported on both sides. "We have started to enter Bani Walid and we are not far away from the centre of the town" spokesman for the regime army, Mohammed El-Gandus said.

"If we win this fight, Libya will finally be free" he declared in a reference to the inability to have the city be directly ruled by armed gangs and imposed authorities from abroad, as has occurred in many other towns in Libya.

Initially it had been said the troops would enter the town peacefully as part of a deal brokered with town authorities on Saturday. However shortly after departure of the force having gathered intelligence, it was ordered back to attack.

Regime officials are remaining largely silent although they have publicly attempted to distance themselves from the militias, primarily from Misrata, that they had despatched to lay siege and attack the town with chemical weapons.

However these same officials were the ones giving orders for their dispatch having declared "Resolution 7" passed on September 25th which gave instructions to capture various people in Bani Walid and assert the regime’s authority there.

The day before the invasion, while attacks were still being carried out by long-distance missiles and firing, including the use of banned chemical weapons, another seven people had been killed, and 75 wounded.

With the all-out invasion under-way current casualties could be shocking. The regime’s military spokesperson Mohammed El-Gandus said that around 2,000 forces were involved in the assault and claimed the Bani Walid airport was already under their control.

This was however denied by authorities in Bani Walid as well as residents who said that they had successfully repulsed attacks launched against them. "We are still in control of the airport and they have not entered the town", said Ibrahim Warfalli, a lawyer inside Bani Walid.

Warfalli also said that up to 50 Misratan fighters had been killed yesterday after they were lured into a trap.

Meanwhile regime military mouthpiece El-Gandus said in an interview with occupation media: "The people from Bani Walid are fighting very well because they know they are going to die. This is the last fight between the people supporting Qadhafi and the people supporting the revolution."

The regime forces also call their February 17 conspiracy a "revolution" and say they are fighting for a "free Libya" and a "new Libya". Opponents say they are only fighting from freedom from democracy, socialism and harmonious unity, all of which were offered along with the highest standards of living and security, by the Libyan Jamahiriya.

The regime’s army spokesman said he could not put a date on how long it would take to take control of Bani Walid. "Maybe it will take some days. Maybe something unexpected will happen. It will take time if the people supporting Bani Walid use civilians as a shield. We do not want to kill civilians".

The statement directly contradicted facts on the ground both during last year’s siege and this one, where civilians have been indiscriminately hit by bombardments from up to 60km outside the town, firing missiles, on many occasions containing toxic gases that have caused horrific injuries, hallucinations, frothing at mouth, spasms, and often death.

Already foreign media have shown images and videos from the hospital of young victims under 10 years of age who were badly wounded and are on life support after missile attacks over the past two weeks.

Recent Events

Over the past weeks the city of Bani Walid has been subjected to a siege that was only partly successful given the opposition to the siege across the country. A number of events have taken place even in Tripoli as a result.

These include the breaking out of prisoners, the entry of hundreds of armed men into the regime’s congress hall, the cutting of electricity and thus also water supplies to some towns and other actions of solidarity undertaken across Libya.

Bani Walid was subjected to a months-long siege last year and constant bombing by U.S.-European NATO air forces along with those of Arab Gulf dictatorships notably Qatar, allied with Al-Qaida forces on the ground and primarily terrorists from the coastal city of Misrata which have a 100 year long feud with Bani Walid.

The siege came to an end when some officials the city agreed under pressure to recognize authority of the Benghazi and later Tripoli-based regime which has as yet been unable to form a government. They stopped flying the green Jamahiriya flag on their houses but also refused to fly the flag of the "new" regime.

Since then the city has carried on business as best it can much the same as other towns in Libya which are all fragmented along tribal lines amidst ongoing horrific human rights abuses, terrorism and all-round lawlessness, with the main difference being the ongoing loyalty to the freedom principles of the Libyan revolution.

Libyan Revolution

The Libyan Al-Fateh 1st September 1969 revolution main three principles are unity, socialism and freedom. These culminated in 1977 with the Sebha Declaration of People’s Power and were strengthened in 1988 with the Great Green Charter of Human Rights and Freedoms before decline in the 1990′s due to compromise.

In the 1990′s compromise was made to have unjust sanctions lifted against Libya which had been imposed upon the country by the U.S. and its allies, allegedly for the bombing of Pan Am flight 103 over Lockerbie, Scotland, which was however based on a $4 million bribe by the CIA, later admitted, buying false testimony.

The compromise involved the return to Libya of "American Libyans" and other Libyans living abroad in exile due to their anti-Libyan activities in attempting to reinstate capitalism, private banking, exploitation and western-style government in place of the people’s power Jamahiriya system.

Some of the sons of Libyan historic leader Muammar Qadhafi were involved in circumventing the people’s authority by awarding positions in the government to the "American Libyans" who later took part in a plot to have the country invaded in 2011 and the puppet regime installed.

The United Nations organization abused its charter in awarding the NATO air forces and commandos of the U.S. and its allies to attack Libya on false pretexts without any investigation into the truth of the situation, in vengeance for Muammar Qadhafi’s expose of the UN calling for its reform in front of the world in 2009.

Pro-Jamahiriya Resources

* The International Green Charter Movement is a sporadic worldwide movement of men and women working to achieve the rights and freedoms of the Green Charter. It’s web site is at www.GreenCharter.com

* The Mathaba News Agency with its commitment to the Green Charter movement and as favoured news agency of Libyan Leader Muammar Qadhafi during the war of 2011 provides various services to readers.

* A free Libyan Jamahiriya news service suffers from resource shortages and was affected by the martyrdom of Arabic news desk staff in Libya and continues to maintain mostly English-language coverage. Subscribers get full access.

Fonte: Mathaba




Revolução Russa – outubro ou nada

18 de Outubro de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Outubro ou nada
Publicado em 17/10/2012 | 2 Comentários
Blog da boitempo
Por Mauro Iasi.
Uma família de nobres voltava a São Petersburgo com seus inúmeros filhos e malas volumosas. Havia se retirado em fevereiro para fugir dos acontecimentos trágicos que haviam derrubado o Czar e não havia acompanhado o desenvolvimento político que levara os trabalhadores ao poder em outubro. Pateticamente parada na plataforma e acostumada com um servilhismo milenar, esperava que algum carregador implorasse para levar as bagagens da família em troca de alguns míseros copeques.
Depois de esperar em vão por um bom tempo, um criado (nobres não se dignavam a falar com pobres) vai buscar informações e ouve a seguinte resposta: “agora somos livres, se quiser carregue suas malas”!
Era a grande revolução de Outubro que emergia lá de onde costuma vir as coisas dos explorados, da periferia, das sombras esquecidas sob a ofuscante aparência de riqueza das sociedades opulentas, dos cantos obscuros que o olhar hipócrita quer esquecer ou incorporar como normal. Em meio à tragédia da guerra, a barbárie em sua forma mais didática, a vida resistia e se levantava contra a fome e a morte.
A Revolução Russa marcou de forma definitiva a história do século XX em muitas áreas (ver a coletânea organizada por Milton Pinheiro, Outubro e as experiências socialistas do século XX, Salvador, Quarteto, 2010), como acontecimento político, como experiência histórica de um Estado Proletário, como base de transformações econômicas fundadas na socialização dos meios de produção, nas práticas do planejamento, como influência política direta nos rumos do movimento comunista internacional e a formação de estratégias e táticas do movimento revolucionário mundial.
Não podemos esquecer sua importância no desenvolvimento da cultura (é só pensar em Vladimir Maiakoviski na poesia e Sergei Eisenstein para o cinema), o ulterior desenvolvimento da música (Prokofiev, Straviski) e dança, das ciências (Luria, Vigotski, Bakthin, e tantos outros), o desenvolvimento técnico e científico (Sakharov, Andréi Kolmogórov etc.). No entanto, quisera me deter numa outra dimensão.
Certos acontecimentos históricos despertam algo um pouco mais intangível que suas manifestações econômicas, políticas, culturais e técnico-científicas. A revolução russa se espalhou pelo mundo, sem internet e televisão, numa velocidade que precisa ser compreendida. Não apenas se expandiu enquanto processo revolucionário que em menos de seis meses havia saído da Europa oriental e chegado ao mar do Japão, se alastrado como fogo em palha pelo antigo império czarista, como atravessou o oceano e incendiou o coração e as esperanças dos trabalhadores das partes mais distantes do globo.
Em uma foto de grevistas em um porto nos EUA na mesma época pode se ver ao fundo uma faixa na qual se lê: “façamos como nossos irmãos russos”. No Brasil as greves operárias se alastravam até a greve geral de 1917 e a Revolução Russa foi saudada pelo movimento anarco-sindicalista como expressão da revolução libertária enquanto emissários eram mandados para lá para colher informações e prestar solidariedade. Poucos anos depois, nos anos vinte, quando o caráter marxista da experiência soviética se torna evidente, distanciando-se, portanto, dos princípios anarquistas, forma-se um movimento comunista que não tem paralelo com nenhum outro por sua escala mundial, sua forma de organização e sua ação.
Partidos Comunistas são formados em toda a América Latina, assim como em quase todos os mais distantes rincões do planeta, dos EUA até a China. Evidente que a formação da União Soviética e da III Internacional Comunista explicam a iniciativa e mais, a necessidade, de uma organização internacional, mas não sua aceitação e rápido desenvolvimento. Há elementos objetivos e subjetivos que precisam ser levados em conta.
Os objetivos são por demais conhecidos e podem ser resumidos na própria internacionalização do modo de produção capitalista e sua transformação em imperialismo, mas não podemos compreender a dimensão desse fenômeno sem entender que a revolução soviética foi um evento catalisador de esperanças de todos os explorados.
Como nos dizia Marx, para que se forje uma classe revolucionária é necessário que se manifeste uma classe que se apresente como um entrave de caráter universal, ao mesmo tempo em que outra consiga expressar através de sua particularidade os contornos de uma emancipação universal. Falando da Alemanha, Marx afirmava que faltava: “grandeza de alma, que, por um momento apenas, os identificaria com a alma popular, a genialidade que instiga a força material ao poder político, a audácia revolucionária que arremessa ao adversário a frase provocadora: Nada sou e serei tudo.” (Karl Marx, Crítica à filosofia do direito de Hegel, São Paulo, Boitempo, 2005, p.154).
Não se trata de nenhum deslize idealista, mas de exata combinação de fatores que dada certas condições materiais, que sem dúvida a guerra mundial propiciava, cria uma equação na qual uma classe encontra as condições de sua fusão enquanto classe. Imersa na cotidianidade reificadora, submetida às condições da exploração, os trabalhadores vivem seu destino como uma condição inescapável. Ainda que submetidos às mesmas condições que seus companheiros, não vivem estas condições como base para uma consciência e ação comuns, mas como uma serialidade, nos termos de Sartre. A vida é assim e é impossível mudá-la.
Em certas condições, no entanto, se produz uma situação na qual a realidade se impõe de tal forma que se torna impossível manter a impossibilidade de mudá-la, nas palavras de Sartre: “A transformação tem, pois, lugar quando a impossibilidade é ela mesma impossível, ou se preferirem, quando um acontecimento sintético revela a impossibilidade de mudar como impossibilidade de viver” (Jean-Paul Sartre, Crítica de la razón dialéctica, Buenos Aires, Losada, 1979, v. 2, p.14). O pensador francês tem em mente os acontecimentos da crise da monarquia absoluta que levou à eclosão da Revolução Francesa, mas vemos claramente esses elementos na crise do czarismo nas condições da guerra.
Interessa-nos, no entanto, outra dimensão desse fenômeno. Da mesma forma que um acontecimento sintético pode levar à fusão da classe e a superação de sua situação de serialidade, encontrando na ação do grupo as condições para abrir a possibilidade de superar o campo prático inerte, devemos supor que uma ação particular da magnitude de um processo revolucionário como o russo, provoca um efeito sobre os trabalhadores, mesmo aqueles que não estavam envolvidos direta e presencialmente nos acontecimentos.
Ernesto Che Guevara denominava isso de “consciência da possibilidade da vitória” e inclui entre as condições objetivas que torna possível uma revolução. Quando os trabalhadores vêem os revolucionários russos varrerem seus tiranos, quebra-se a impressão de naturalização e inevitabilidade com as quais revestiam suas condições de existência. É possível mudar, nada somos, mas podemos ser tudo.
Em um belo poema soviético é descrita a cena na qual uma camponesa que agora tinha acesso aos museus e suas obras de arte se detêm diante de um quadro a admirá-lo. A autora do poema então conclui: “mal sabia que ali era uma obra de arte a admirar outra”. Operários assumem as fábricas, as terras são entregues aos comitês agrários para serem repartidas. Soldados, operários, camponeses, marinheiros, lotam os teatros antes privativos da nobreza russa, para ouvir Maiakóviski recitar os poemas que retira dos bolsos de seu enorme casaco e de seu coração ainda maior.
Suspendamos por um instante as enormes dificuldades que viriam, a guerra civil, o isolamento, a burocratização e a degeneração que culminaria no desfecho histórico de 1989. Naquele momento de maravilhoso caos, a vida fluía não como processo que aprisiona os seres humanos nas cadeias do estranhamento, mas como livre fluir de uma práxis transformadora. Tudo pode ser mudado. Podemos criar as crianças de uma nova forma, e já vemos Makarenko e seu enorme coração abrigando os órfãos da guerra e reinventando a pedagogia, trabalhadores organizando as comissões de fábrica e Alexandra Kollontai olhando o mundo com os olhos de mulheres emancipadas.
Enquanto o mundo capitalista preparava-se para esmagar a experiência revolucionária russa (a república dos trabalhadores seria atacada em 1918 por dez potências estrangeiras), o generoso coração da classe trabalhadora acolhe esta experiência como sua e a defende, sem conhecê-la profundamente, sem que a compreenda de todo, mas por que nela se reconhece.
Paz, terra, pão e sonhos voavam pelo mundo que o capital havia tornado um só e mãos calejadas, duras como a terra que trabalham, os seguram e se alimentam da esperança dos que se levantaram contra seus opressores. Corpos exauridos pela chacina diária das fábricas caminham pelas ruas e olham em frente, levantam seus punhos e cantam a canção que os unia: se nada somos em tal mundo, sejamos tudo, ó produtores!
Em tempos como os nossos, de hipocrisia deliberada, em tempos de humanidade desumanizada, de cotidianidade reificada, a consciência da possibilidade da vitória se reverte em seu contrário e se manifesta novamente como uma consciência da impossibilidade da mudança. Brecht nos alerta: nada deve parecer natural, porque nada deve parecer impossível de mudar e completa em outro poema: até quando o mundo será governado por tiranos? Até quando iremos suportá-los?
Presos à nova serialidade, fragmentados e divididos, submetidos às novas cadeias de impossibilidades, escolhendo a cada quatro anos quem irá comandar sua exploração, nossa classe nem se lembra que teve um outubro e que fizemos a terra tremer e que os poderosos perderam o sono diante da iminência de seu juízo final.
Diante da realidade do capital internacional que ameaça a humanidade, diante da barbárie diária que ameaça minha classe, gestam-se novas impossibilidades de manter os limites do possível, crises didáticas transformam em pó certezas neo e pós liberais arcaicos/modernos e suas irracionalidades racionais. O pólo da negatividade humana se reapresenta arrogante e prepotente. Muitos são os que se levantam ainda sem rumo, não importa, que se levantem e gritem, resistam e lutem. Mas, em sua marcha olhando para o futuro, resistindo contra as mazelas do presente desumano do capital, olhem por um momento para trás, vejam como já marchavam à nossa frente nossos camaradas russos, vejam como iam decididos e corajosos abrindo caminho em direção ao amanhã.
Marchemos para frente, tiremos nossa poesia do futuro, basta de anacronias e cópias do passado, mas não nos esqueçamos nunca que tivemos um Outubro, e foi nosso, e foi um grande Outubro vermelho e proletário, e foi tão grande que foi planetário, e foi tão generoso e fraterno que nele se irmanaram todos os trabalhadores do mundo e chegaram a acreditar que tudo podia mudar e, por um momento, mudaram tudo que podiam.
Viva a revolução Soviética de 1917. Outubro… ou nada!
***
Não deixe de conferir A revolução de outubro, de Leon Trotski e a coletânea Revoluções, organizada por Michael Löwy.

***
Mauro Iasi é professor adjunto da Escola de Serviço Social da UFRJ, presidente da ADUFRJ, pesquisador do NEPEM (Núcleo de Estudos e Pesquisas Marxistas), do NEP 13 de Maio e membro do Comitê Central do PCB. É autor do livro O dilema de Hamlet: o ser e o não ser da consciência (Boitempo, 2002). Colabora para oBlog da Boitempomensalmente, às quartas.




Médicos alertam autoridades sobre problemas na saúde do País

18 de Outubro de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda
Médicos alertam autoridades sobre problemas na saúde do País
18/10/2012-12h

Nesta quinta-feira, 18 de outubro, – data em que se comemora o Dia do Médico e mês do 24º aniversário do Sistema Único de Saúde (SUS) – as entidades médicas nacionais entregaram carta ao Ministério da Saúde, chamando a atenção para os obstáculos que comprometem a assistência oferecida a população do País.

O documento, assinado pelos presidentes da AMB (Associação Médica Brasileira), CFM (Conselho Federal de Medicina) e FENAM (Federação Nacional dos Médicos), enumera ainda uma série de soluções possíveis para os principais problemas do setor.

"A insatisfação generalizada tem sido registrada em diferentes pesquisas de opinião, estudos acadêmicos e pela imprensa, que, seguidamente, materializa a crise da saúde (pública e privada) em reportagens que exibem as filas, as longas esperas e a dificuldade de acesso aos serviços", aponta o documento.

Dentre os desafios enfrentados na saúde pública, os médicos destacam a falta de financiamento e de infraestrutura adequada. Também pedem a valorização do trabalho no setor, com a adoção de parâmetros nacionais de cargos, carreiras e vencimentos para os médicos e outros profissionais.

Já na saúde suplementar, denunciam a prevalência dos interesses econômicos das empresas em detrimento à qualidade dos serviços oferecidos pelos planos de saúde. Cobram ainda resposta da ANS, por meio de normativa, à proposta de contratualização, encaminhada pelas entidades médicas em abril de 2012.

Os médicos acreditam, no entanto, ser possível reverter o quadro atual com a adoção de medidas que viabilizem políticas que permitam que o modelo assistencial brasileiro – representado pelo SUS – se mantenha como referência no campo social e traga o equilíbrio e a justiça à saúde suplementar.

Como fator decisivo, fazem referência à vontade política para corrigir as distorções e recolocar nos trilhos a assistência em saúde no país. "As entidades médicas, comprometidas com o exercício da boa Medicina e com os direitos da sociedade e dos pacientes, se dispõem a contribuir com este projeto de forma efetiva", conclui o documento.

Leia o documento na íntegra:

Brasília, 18 de outubro de 2012.

À Sua Excelência
Senhor Alexandre Padilha
Ministro de Estado da Saúde

Senhor Ministro,

Neste 18 de outubro, quando se comemora o Dia do Médico, as entidades médicas nacionais, por meio deste, exprimem sua grande preocupação com o quadro de desequilibro na área da saúde, no país. Os problemas existentes nos setores público e suplementar se acumulam e comprometem, sobremaneira, a assistência oferecida aos 190 milhões de brasileiros.

A insatisfação generalizada tem sido registrada em diferentes pesquisas de opinião, estudos acadêmicos e pela imprensa, que, seguidamente, materializa a crise da saúde (pública e privada) em reportagens que exibem as filas, as longas esperas e a dificuldade de acesso aos serviços, aos médicos e outros profissionais da área, entre outros obstáculos, bem como suas consequências.

É evidente que o SUS, que completa também em outubro 24 anos, necessita de mais recursos e de gestão qualificada para garantir o cumprimento de seus princípios constitucionais de universalidade, equidade, integralidade, gratuidade, descentralização e regionalização no atendimento.

Sem investimentos na rede pública – com a melhora da infraestrutura física e de equipamentos – e sem uma política de recursos humanos que valorize os médicos e outros profissionais da saúde, inclusive estimulando-os a se fixarem em áreas de difícil provimento, tais diretrizes podem ser comprometidas.

Na esfera da saúde suplementar, igualmente prevista na Constituição de 1988, as dificuldades se avolumam em função do modo deturpado como empresários do setor têm operado (com foco no lucro e ignorando as necessidades apontadas pelos pacientes e profissionais) e pela ação limitada da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) no exercício de seu papel de agente regulador.

Diariamente, o país testemunha a prevalência de interesses econômicos na prestação de serviços que deveriam ter como objetivo central a garantia do bem-estar e da vida das quase 50 milhões de pessoas que contribuem com o custeio de planos e seguros de saúde.

A face perversa desta cultura do lucro é visível no descontentamento dos clientes e dos profissionais com as glosas, as demoras e a interferência antiética na relação médico-paciente. Além disso, há o trabalho da imprensa que, em diferentes momentos e locais, confirma que o setor que deveria oferecer um atendimento diferenciado também sofre com os mesmos problemas do SUS, o que indica a quebra dos compromissos morais assumidos pelas empresas com seus clientes.

No entanto, acreditamos ser possível reverter o quadro atual com a adoção de medidas que viabilizem políticas de médio e longo prazos, o que permitirá que o modelo assistencial brasileiro – representado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) – se mantenha como referência no campo social e traga o equilíbrio e a justiça ao terreno da saúde suplementar.

Para tanto, se impõe como fator decisivo a vontade política de corrigir as distorções e recolocar nos trilhos a assistência em saúde no país. As entidades médicas, comprometidas com o exercício da boa Medicina e com os direitos da sociedade e dos pacientes, se dispõem a contribuir com este projeto de forma efetiva.

Anexo, encaminhamos uma série de propostas que condensam pontos levantados pelos debates realizados pelas nossas entidades com diferentes setores da sociedade, os quais merecem ser analisados e tratados como elementos estratégicos.

Sem mais para o momento, colocamo-nos à disposição para outros esclarecimentos e enfatizamos – novamente – nosso amplo interesse em contribuir para o fortalecimento da saúde brasileira por meio da reflexão e do diálogo.

Atenciosamente,

ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA
CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA
FEDERAÇÃO NACIONAL DOS MÉDICOS

ANEXO

AGENDA ESTRATÉGICA PARA A SAÚDE NO BRASIL PROPOSTA PELAS ENTIDADES MÉDICAS NACIONAIS

Diante do cenário preocupante que impera na assistência em saúde no país, a Associação Médica Brasileira (AMB), o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) apresentam as seguintes propostas ao Ministério da Saúde e outros setores da gestão em saúde.

No entendimento dos médicos brasileiros, estes pontos devem ser adotados como parte de uma agenda mínima de medidas sem as quais o futuro do Sistema Único de Saúde (SUS) e da saúde suplementar podem ser comprometidos.

Trata-se de um conjunto de ações com desdobramentos capazes de sustentar políticas estruturantes de médio e longo prazos, qualificando o atendimento e garantindo a vida e o bem-estar de mais de 190 milhões de brasileiros:

No âmbito da SAÚDE PÚBLICA, as propostas das entidades médicas são:

a) Financiamento da saúde: ampliar significativamente o volume de recursos orçamentários dedicados ao Sistema Único de Saúde até alcançar o nível de aplicação de 10% da Renda Bruta da União para ações e serviços públicos de saúde, de forma emergencial. O objetivo é aumentar gradativamente a participação do Estado brasileiro no custeio da saúde, atualmente em 44% do volume gastos, até atingir os parâmetros de outros países que também possuem modelos assistenciais universais, como o Reino Unido (84%), Espanha (74%) e Canadá (71%), por exemplo.

b) Política de gestão do trabalho em saúde: valorizar o trabalho em saúde, eliminando a precarização e os contratos temporários, adotando parâmetros nacionais de cargos, carreiras e vencimentos para os médicos e outros profissionais da saúde e assegurando o co-financiamento das políticas de gestão do trabalho pelas três esferas de governo, principalmente pelo governo federal. Também se propõe a criação de uma carreira de Estado para o SUS para médicos e outros profissionais da saúde, como forma de estimular sua fixação em áreas de difícil provimento com a garantia de condições de trabalho (oferta de infraestrutura física e de equipamentos), de acesso à rede de referência e contrareferência, a programas de educação continuada e a remuneração compatível com a dedicação e a responsabilidade assumidas.

c) Modelos de gestão pública: fortalecer a capacidade gerencial do Ministério da Saúde e os processos de coordenação interfederativa, contemplando metas de elevação da qualidade e da efetividade das respostas das instituições de saúde. Ademais, avançar na implantação de modelos de gestão da saúde que assegurem a efetividade e a qualidade dos serviços, preservando o seu caráter público e superando a lógica fragmentada e dispersa do planejamento e da tomada de decisão no SUS.

d) Modelos de atenção à saúde: fortalecer e expandir as estratégias de promoção da integralidade e da universalidade da atenção à saúde por meio da configuração de redes de atenção organizadas regionalmente em consonância com a situação de saúde, assegurando o financiamento para intervir na gestão do quotidiano dos serviços e assegurar a qualificação e a flexibilização da oferta, de acordo com as diferentes realidades locais.

e) Desenvolvimento tecnológico e inovação em saúde: buscar a articulação entre as políticas de saúde, de ciência e tecnologia e de indústria e comércio de modo a proporcionar ao SUS os insumos necessários ao enfrentamento dos problemas de saúde dos brasileiros.

f) Controle e participação social: valorizar os movimentos sociais, acatando as deliberações políticas dos fóruns legítimos de participação como as conferências e Conselhos de Saúde. Priorizar a saúde na agenda do governo federal e apresentar à sociedade os seus principais dilemas buscando no debate organizado os encaminhamentos e consensos democraticamente construídos.

Já no âmbito da SAÚDE SUPLEMENTAR, os pontos levantados pelas entidades médicas são os seguintes:

Regulação do setor privado: garantir a capacidade de intervenção da Agência Nacional de Saúde Suplementar, orientada pelo interesse público e por políticas emanadas do Ministério da Saúde.

Contratualização entre médicos e operadoras: instituir regras nos contratos entre médicos e operadoras de planos de saúde, conforme proposta já encaminhada à ANS em abril de 2012, pela qual ficam estabelecidos, dentre outros pontos, a inserção de critérios de reajuste, com índice definido e periodicidade máxima de 12 meses, e com previsão de negociação coletiva, além da inclusão de critérios de credenciamento, descredenciamento, glosas e outras situações que configuram interferência na autonomia do médico.

Adoção da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM): Como referência para o processo de hierarquização, solicita-se às operadoras de planos de saúde que retomem a negociação com as entidades médicas a partir dos parâmetros aqui apresentados.

Transparência dos dados de cobertura: Espera-se a disponibilização para as entidades médicas e para a população de dados atualizados, em série histórica, que comprovem o tamanho da cobertura assistencial prometidas pelas operadoras e seguradoras de saúde por produtos (planos) negociados. Diante da percepção crescente de estrangulamento do setor, sobretudo nos planos populares, essa medida torna-se fundamental para dar aos cidadãos e aos profissionais a noção exata da capacidade operacional de cada empresa.

Redação da Agência de Notícias da Aids




TVT

Registre uma url válida (Vimeo, Youtube, arquivo de vídeo)

TeleSurTV

Registre uma url válida (Vimeo, Youtube, arquivo de vídeo)

RT

HISPANTV

Registre uma url válida (Vimeo, Youtube, arquivo de vídeo)