Ir para o conteúdo

Andre Vieira

Tela cheia

Blog

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | No one following this article yet.

Denunciam novos massacres na Líbia cometidos por rebeldes/OTAN

23 de Junho de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Fonte: Libia S.O.S.

sábado, 23 de junio de 2012

LIBIA: Ultimo informe de la Jamahiriya (20 al 23/06/2012): Genocidio en Mizda: Los Imperialistas celebraron el magnicidio de Gaddafi, y como ocurrió en Sirte, Bani Walid y Tripoli, hoy convierten en espectáculo de horror y desprecio a la dignidad humana la masacre en Mizda

- Un resumen de los acontecimientos en Libia en la última semana reporta que cerca de 500 libios han sido asesinados en la región occidental y más 1537 heridos a manos de los terroristas “rebeldes” protegidos por la ONU. La región occidental ha sido etiquetada como una zona militar por las bestias del CNT-OTAN debido a su incapacidad para doblegar al pueblo que se resiste a volver a ser colonia del imperialismo.

Una urgente denuncia ante el mundo del Genocidio de los mercenarios y traidores “rebeldes” de Zentan contra civiles en la región de Mizda estos criminales del CNT-OTAN han matando a casi 500 personas e hirieron a 1.537 y el encarcelamiento de 614 hombres y mujeres jóvenes en la ciudad de Mizda en el centro del Sahara bajo las órdenes del Estado de Qatar, se han descubierto un convoy camiones con cientos de cadáveres que los mercenarios “rebeldes” de Zentan ha tratado de encubrir. El mando central de la resitencia verde se ha hecho cargo de las investigaciones, las tribus han sido notificados de los actos notorios de las pandillas Zentan. El ejército todavía está luchando con las pandillas, las fotos tomadas han demostrado que los asesinatos indiscriminados han tenido lugar en Mizda por más de siete días, los cuerpos de los fallecidos están siendo enterrados en fosas comunes para ocultar el acto de genocidio.

Mizada+-+Libia.1.jpg

Mizada+-+Libia.jpg

Un video que muestra claramente las bombas lanzadas por las milicias en Zenten Mchachia regiones que contienen el gas mostaza. Ellos quieren exterminar a los Mchachiya tribus.

Evidencias de armas quimicas o Uranio empobrecido

Los oleoductos que cruzan hacia la montaña occidental Zentan fueron bloqueadas en Mizda, el cierre de las tuberías debido a múltiples caras Zentan los métodos, ya muchas bandas Zentan fueron eliminadas por patriotas de la resistencia en Mizda. Está claro que muchos en Zentan están en el lado de los opresores, la milicia Zentan fue ayudado por las brigadas de Misrata y las tribus de Jaddu. El ejército verde ha declarado 10 días de duelo nacional con banderas a mitad del mástil, las oraciones se llevará a cabo por el Imam Abdul Rahman Sudais, y los Apóstoles de África centro juvenil Mizda, el centro de los moros de ascendencia negro, Muamar Algadhaffi compleja diversidad Mizda, la Mezquita Central y Mizda Libyana la federación tribal, las oraciones de Gina tv.

El mundo debe saber que las bandas armadas del CNT-OTAN en Zentan han utilizado gas mostaza, gas nervioso y agentes biológicos para atacar Mizda. Los convoyes de suministros han comenzado a llegar a Mizda, los jóvenes a través de las tribus libias han ido a la ciudad para defender al pueblo, y proporcionar apoyo a la vida. No hay una posible reconciliación con estos criminales son enemigos de la Jamahiriyah.

- Benghazi: Hombres armados acribillaron a balazos en Benghazi al juez libio Jumaa Hassan Al-Jazwi, quien ganó notoriedad por ordenar arrestar a un exministro de Muamar El Gadafi, asesinado meses después de desertar del gobierno, se informó hoy.

Alí Al-Jazwi, hijo del magistrado Jumaa Hassan Al-Jazwi, afirmó que su padre murió el jueves al ser atacado a tiros mientras se dirigía a rezar en la mezquita de Shaheed Ahmed Sharif, en la oriental ciudad cuna de la revuelta iniciada en febrero de 2011 contra El Gadafi.

El juez Al-Jazwi residía en Benghazi y fue quien firmó la orden para detener al exministro del Interior general Abdel Fatah Yunes, llamado a declarar mientras combatía contra tropas gubernamentales en la ciudad de Brega, en julio pasado, y luego muerto en raras circunstancias.

Según un funcionario de seguridad local, el tiroteo lo llevaron a cabo hombres a bordo de un vehículo en movimiento, presuntamente exinsurgentes que lucharon contra el anterior gobierno y ahora están insatisfechos con la gestión del Consejo Nacional de Transición (CNT).

- La verdadera revolución se inicia en Benghazi, Libia quiere derrocar al Gobierno de la CNT. Exigen la renuncia de Mustafa Abdeljalil, carteles electorales son arrancados por el pueblo que denuncian que todo es un fraude montado por los invasores imperialistas (ver video).

- Chakika: la electricidad está de vuelta en la ciudad tras una semana de Chakika corte tras el bombardeo de Zenten milicia.

- Tripoli: El “periodista” traidor a la patria Dougha Suleiman fue torturado y violada: el periodista fue secuestrado en Trípoli por las milicias de Misrata tras sus declaraciones en contra de la Misratis.
Añadió que Suleiman Dougha fue torturada y violada.
El periodista Dougha Suleiman fue uno de los pioneros de la conspiración en contra de Libia. Fue en Qatar como iterlocuteur oficial de la cadena de televisión Al Jazeera.

En Trípoli, la bandera verde se izó en el puente de una autopista Kobri. Un rebelde quería quitarla. Fue asesinado por un francotirador de la resistencia en verde.
En el puerto de Trípoli, el jefe de la oficina de aduanas, el coronel Noureddine Abouhlala dijo que se ha apoderado de una gran cantidad de bebidas alcohólicas en un contenedor de 20 pies de Malta a través de la agencia de Taiba. Los documentos hablan de jugo cuando los funcionarios de aduanas encontraron 600 cajas de vino equivalente a 7200 botellas.

Pueblo alemán se solidariza con la Jamahiriya Libia y Siria
y condena los crimens de la OTAN

- Las ratas “rebldes” que destruyen Libia malversan en Jordania 200 millones dólares: Jordania a recibido a miles de estúpidos que se hicieron herir o mutilar al defender a los invasores, que ahora gimen y se lamenta el hecho de que la CNT-OTAN que cuenta con más de 200 millones de dólares los tenga abandonados. Cuenta en la cantidad que ponen los hospitales jordanos y hoteles.
En los últimos seis meses, cuarenta de los sesenta hospitales en Jordania, trabajan asistiendo principalmente a las ratas lesionadas. Estas criaturas se han curado de alrededor de 55.000. Sin embargo, como es costumbre entre los bandidos, no gracias no me siento curado. Ellos se establecieron libremente en Jordania, ordenando a sus jefes que les den dinero y entretenimiento.

Hasta hace poco, los jordanos tomaron hermanos rata humildemente ruidosos. Al mismo tiempo, que no exigen ningún tipo de garantía de pago.La ternura del hecho de que estas criaturas están luchando con los partidarios de al-Gaddafi, los jordanos fueron manipulados y colocados los "revolucionarios" en el préstamo. Ahora, cuando Jordan se dispararon los precios de los combustibles y la electricidad, el gobierno local decidió que sería bueno recuperar el dinero gastado.

Después de calcular la rata de la deuda demostró que Trípoli debe Amman más de US $ 200 millones. PNS, de recibir la factura, es importante que asintió con la cabeza (o lo que tienen, en lugar de la cabeza), y se comprometió a "hacer frente". "El juicio" duró tanto tiempo que Jordan apareció temor justificado de no volver a ver su dinero. El resultado fue que el Amman no quiere tratar a los "luchadores por la libertad".

Sin embargo, la rata no es ajeno a las cifras del gobierno deudas astronómicas. Turquía, Italia, Grecia y Túnez también son pandilleros eran lo suficientemente descuidado para ser invitado a tratamiento. En total, Libia tiene alrededor de 1,4 millones de dólares. Al parecer, la devolución de la deuda no deben esperar: una civilizada hizo negocios sólo a Muammar Gaddafi.

PS Por cierto, los médicos jordanos dicen que todas las semanas a que lleguen entre 10 y 12 aviones llenos de ratas heridos libios. Y esto es una confirmación indirecta de que la Resistencia Verde no está sentado de brazos cruzados.
Fuente

- La Resistencia Libia muestra video con rebeldes del CNT muertos en combate

- Al-Saadi Gaddafi en Kufra




DO EDITOR DE INTERNACIONAL DA BBC: “A cobertura da BBC do massacre de Houla só reproduziu propaganda da oposiç ão síria” 15/6/2012, Countercurrents (traduzido)

23 de Junho de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

15/6/2012, Chris Marsden, Countercurrents
http://www.countercurrents.org/marsden150612.htm

Tradução Coletivo: Vila Vudu

O mais discretamente possível, o editor de noticiário internacional da BBC, Jon Williams, admite afinal que a cobertura que a emissora e agência noticiosa britânica distribuiu, do massacre em Houla, Síria – matéria selecionada de agências e trabalho dos próprios jornalistas ‘da casa’ – não passou de seleto compêndio de mentiras.

Em postado do dia 7/6, 16h23, em seu blog pessoal[1], Williams afinal confessa o que vários críticos já haviam observado e denunciado[2]: que não há qualquer prova que permita afirmar que o massacre do dia 25/5, no qual morreram mais de 100 pessoas, tenha sido perpetrado pelo Exército Sírio ou por milícias apoiadas pelo governo alawita de Al-Assad.

Fortemente sugerida nas entrelinhas no mesmo postado, há também a confissão de que o noticiário da BBC reproduziu material de propaganda distribuído pelos sunitas, que operam para derrubar o governo do alawita Bashar al-Assad.

Depois de algumas linhas introdutórias de autojustificação ‘preventiva’, em que fala da “complexidade da situação em campo na Síria”; da “necessidade de tentar separar fato e ficção”; e da “longa tradição síria [sic]” de “noticiar boatos como se fossem fatos”, Williams escreve:

“Logo depois do massacre em Houla mês passado, as primeiras notícias falavam de cerca de 49 crianças e 34 mulheres decapitadas. Em Damasco, agentes ocidentais disseram-me que investigações posteriores não encontraram qualquer vestígios desse tipo de atrocidade. E que, porque o Exército Sírio havia bombardeado a área pouco antes, não havia absolutamente nenhuma certeza sobre a autoria do massacre ou sobre o que realmente aconteceu em Houla.”

Por isso, conclui o jornalista e editor da BBC – em conclusão que chega, de fato, muito atrasada:

“Nessas circunstâncias é mais importante do que nunca informar também sobre o que não sabemos, não só sobre o que se sabe. Em Houla, e agora também em Qubair, todas as evidências sugerem que os responsáveis pelo massacre em Houla tenham sido membros da milícia Shabiha. Mas, à parte o trágico número de vítimas, praticamente não há certeza de nada, nem sobre quem ordenou as mortes, nem por quê.”

Infelizmente, a BBC, até agora, sempre noticiou [e vendeu suas notícias! E a Folha de S.Paulo, o Estadão e O Globo COMPRAM essas notícias e as REVENDEM a leitores brasileiros incautos!] como se tivesse certeza de tudo, da autoria e dos motivos de tudo que se passa na Síria; a BBC e, aliás, todos os grandes jornais britânicos [e dos brasileiros, então, que vivem de requentar noticiário internacional requentado, desses NEM SE FALA! Vide notas, adiante].

Em lugar de operar como agência de produção e distribuição de informação aproveitável, a BBC operou como ativo braço de propaganda de uma falsa indignação ‘humanitária’ e correspondentes ‘certezas’ fabricadas em Londres, Washington e, até, na ONU –, em todos os casos divulgando, como se fosse fato, que o Exército Sírio ou milícias armadas que operariam sob as ordens do governo, ou ambos, seriam responsáveis pelo massacre.

Exemplo típico desse jornalismo de desinformação é a matéria publicada dia 28/5, “Syria Houla massacre: Survivors recount horror” [3], [reproduzida sem tirar nem por, título e tudo, no Brasil, pela Folha de S.Paulo, e, pra piorar, em TRADUÇÃO HORRÍÍÍÍÍÍÍÍVEL!]:

"Os membros da milícia ‘Shabiha’ atacou (sic) as casas. Eles não tiveram compaixão. Nós fotografamos crianças com menos de 10 anos de idade, com suas[4] mãos amarradas e mortas com tiros à queima-roupa, a 10cm de distância, apenas 10 cm. Eles cortaram seus[5] pescoços com facas, não todo o pescoço, mas eles fizeram um buraco no pescoço, um buraco nos olhos."[6]

Em momento algum se cogita de lembrar os leitores da possibilidade – se os ‘depoimentos’ não forem integralmente inventados! – de esses ‘depoimentos’ virem de pessoas politicamente alinhadas com a oposição síria, agindo e falando sob instruções de um ativo programa de propaganda.

E, só agora, Williams/BBC [mas não os jornais e os jornalistas do Grupo GAFE (Globo/Abril/FSP/Estadão), no Brasil, pelo menos até esse momento] lembra de lembrar que:

“Dadas as dificuldades para o trabalho de reportagem na Síria, vídeos postados em Twitter, Facebook e YouTube podem servir como guia para conhecer os fatos em campo. Mas os fatos nunca são branco ou preto – quase sempre são cheios de nuances cinzentas. Os que se opõem ao presidente Assad têm agenda própria. Um alto funcionário ocidental chegou a descrever a estratégia de comunicação da oposição síria pelo YouTube, como “brilhante”. Mas lembrou também das técnicas de ‘guerra psicológica’ e de lavagem cerebral, de propaganda, que militares norte-americanos e outros usam frequentemente, para convencer pessoas de versões que nem sempre são verdadeiras.”[7]

Williams sabe bem do que está falando.

Dia 27/5, a BBC distribuiu uma foto, apresentada como se fosse recente e tirada em Houla, para ‘comprovar’ o show: “corpos de crianças em Houla, ainda insepultos.”

Mentira. Nada além de exemplo da propaganda a favor do golpe contra o governo de Assad, e que nada tem de “brilhante”. A foto de corpos enrolados em mortalhas brancas foi tirada pelo fotógrafo Marco di Lauro no Iraque, há quase dez anos, dia 27/3/2003. E eram ossadas descobertas num deserto, ao sul de Bagdá.

Di Lauro comentou: “O que muito me surpreende é que uma agência de notícias como a BBC não verifique suas fontes. Alguém está usando trabalho do outros para fazer propaganda de mentiras. Mas… A BBC?!”[8] (…)

É perfeitamente possível que o mea culpa de Williams tenha motivos dignos, de preocupação com o papel que ele e outros jornalistas desempenham, de porta-vozes de uma campanha para derrubar mais um governante no mundo árabe, conhecida hoje, eufemisticamente, como ‘troca de regime’. Mas de pouco servirá a ‘confissão’, lá, escondida num blog da empresa.

Porque fato é que, na BBC [como na Folha de S.Paulo, no Estadão e n’O Globo, no Brasil! (NTs)] ’ a mesma propaganda – vendida como se fosse jornalismo a consumidores PAGANTES – continua, sem qualquer modificação, como se vê na cobertura, dia 6/6, de outro massacre, dessa vez na vila de Qubair.

Dessa vez, o correspondente da BBC, Paul Danahar, que viaja no comboio dos monitores da ONU, ‘noticiou’ que escrevia “de uma casa devorada pela chamas”, “sentindo cheiro de carne calcinada”, cercado de “pedaços de cadáveres”. ‘Noticia’ também que “massacrar o povo não satisfaz a fúria do exército de Assad. Agora matam também os animais.” E a matéria é ilustrada pela foto de um burro morto, que nada mostra, além do burro morto. Em seguida, sobre imagens de marcas de pneus numa estrada de terra, o mesmo Paul Danahar ‘noticia’: “Veem-se evidentes tentativas para apagar rastros de pneus e outros detalhes das atrocidades.” É possível que haja as tais ‘evidentes’ tentativas. Mas nada, no jornalismo da BBC comprova o que o jornalista ‘noticia’. (…)

E é desnecessário lembrar que a BBC (a Folha de S.Paulo, O Estado de S.Paulo e O Globo, claro!) não dizem uma palavra sobre matéria publicada dia 7/6 pelo Frankfurter Allgemeine Zeitung, com muitas evidências de que o massacre de Houla tenha sido cometido pelo Exército Síria Livre. – A matéria oferece depoimentos recolhidos entre os habitantes da região, por grupos que se opõem ao governo de Assad e também se opõem ao Exército Síria Livre e a outras milícias também pagas e armadas (e noticiadas) pelo ocidente.

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++




DILMA diz que Paraguai viola a cláusula de democracia e assim deve ser expulso do MESCOSUL e a UNASUL.

23 de Junho de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

La presidenta de Brasil, Dilma Rousseff, sugirió este viernes expulsar a Paraguay del Mercado Común del Sur (Mercosur) y de la Unión de Naciones Suramericanas (Unasur), luego de que en ese país se concretara la destitución del presidente Fernando Lugo.

En una conferencia de prensa ofrecida antes de hablar en la sesión de clausura de la Conferencia de Río +20, la mandataria brasilera reiteró que el Mercosur y Unasur son organismos que tienen cláusulas en sus estatutos y que requieren el respeto de las reglas democráticas.

En este sentido, aseguró que para aquellos que no cumplen con “los principios que caracterizan a una democracia”, se les debería poner una pena.

“Un país que viola la cláusula de la democracia la sanción es la no participación de los organismos multilaterales. Es decir, la expulsión del Mercosur y Unasur”, aseveró Rousseff.

Por otro lado, también comentó sobre el juicio político que conllevó al derrocamiento de Lugo y dijo que hubo una “pena anticipada”, a lo que agregó que el Paraguay está experimentando una “situación complicada”.

Previo a que el Congreso paraguayo concretará la salida del presidente democráticamente electo, Fernando Lugo, los cancilleres de la Unasur y su secretario general, Alí Rodríguez Araque, advirtieron sobre el riesgo que estaba corriendo la democracia de ese país suramericano.

El bloque insistió en el repudio de “todas las acciones” contra Lugo y a su vez, ratificó el “respaldo al presidente constitucional”.

Previamente, Ali Rodríguez Araque había mencionado que el bloque estaba evaluando la posibilidad de expulsar a Paraguay si Lugo era despojado de su cargo, porque esto irrespetaba la decisión popular por la que accedió al poder.

teleSUR- Télam/ lp-PR




Golpe de Estado sob forma de ‘Julgamento político’ destitui Fernando Lugo do cargo de presidente

22 de Junho de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Por Rogéria Araújo – 22/06/12

No início da tarde desta sexta-feira, o Senado decidiu, em julgamento político, a condenação de Fernando Lugo que, assim, será destituído do cargo de presidente do país. O pedido foi feito pela Câmara de Deputados e acatado pela maioria dos senadores que desde ontem iniciou o processo, sob protestos da população e sob pedidos da União das Nações Sul-americanas, que pedem respeito pela democracia no país, uma vez que Lugo foi eleito legitimamente pelo povo do Paraguai.

As informações de jornais locais davam conta que desde manhã o documento que destituiria Lugo já estava pronto. E que, neste caso, assumiria o vice-presidente, Federico Franco. No fim da tarde, o resultou apontou 39 votos pela condenação, 4 votos contrários à condenação e 2 ausências. Os parlamentares que apoiaram Lugo afirmaram categoricamente que se tratou de um claro golpe de estado.

A delegação da União das Nações Sulamericanas (Unasul) está acompanhando o presidente paraguaio Fernando Lugo, no Congresso Nacional. Desde ontem milhares de pessoas tomam as ruas de Assunção em favor da permanência do mandatário, eleito em 2008. Para muitos, a manobra da oposição significa um Golpe de Estado, já que não havia razões suficientes para que o Congresso se reunisse de ontem para hoje e se configurasse como tribunal. Advogados tentaram obter mais tempo para a defesa do presidente, mas o pedido não foi aceito pelo Senado.

O motivo central argumentado pelos senadores foram as mortes de 17 pessoas, entre indígenas e policiais durante um conflito por terras ocorrido no último dia 15 Curuguaty. De acordo com informações do Senado, isto foi suficiente para acatar o pedido.

A Unasul chama a atenção para o perigo que representa esta iniciativa do Congresso – onde Lugo tem minoria de apoio – afirmando que este instrumento está ferindo a democracia e a soberania do país.

Fonte: Adital




Marilena Chauí fala sobre papel da USP na ditadura

22 de Junho de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Heleny Guariba, uma das desaparecidas pela ditadura militar (Foto: Arquivo Pessoal/Arte Jornal Brasil Atual)

*Boa noite a todos e a todas, obrigada pelo convite. Quero começar fazendo duas colocações. A primeira, certamente você sabe, mas sou avó, como alguns colegas de colegial e faculdade. Nós [ela e Heleny Guariba] estudávamos juntas, ela que escolheu o meu namorado, com quem eu casei. Estive com ela na véspera do dia da prisão, foi a minha casa e tivemos uma longa conversa, fizemos planos, íamos nos ver no dia seguinte, mas eu não a vi mais. Entendo o que a Vera [Paiva] diz, levei muitos anos para enterrar, não podia admitir.

A segunda é de um outro colega meu, o [Luiz Roberto] Salinas, que não morreu na prisão, mas morreu por causa da prisão. Foi preso, torturado, e, na época, ele não fazia parte de nenhum movimento ou grupo, nada. Mas tinha feito muito antes, na altura de 64, e isso aconteceu no final dos anos 70. A esposa dele era jornalista e havia publicado uma matéria, os policiais, militares, não entenderam algumas palavras e interpretaram como um código. Foram ao apartamento deles e, como ela não estava, pegaram Salinas, que foi torturado no pau de arara dias a fio para dizer qual era o deciframento do código, das palavras do artigo da mulher dele.

Não era código, não havia o que dizer e ele foi estraçalhado. O resultado dessa prisão: foi anulado, evidentemente, o estado físico do Salinas e o seu estado psíquico. Foram anos para ele se refazer, e nunca conseguiu realmente se refazer. Teve trombose nas duas pernas, tendo que cortar dedos dos pés e morreu com uma síncope. Ou seja, foi morto pela tortura. Amigo meu do coração, entramos juntos no Departamento de Filosofia e, juntos, nos tornamos professores no departamento.

Gostaria de contar para vocês como foi entrar no campus da USP em 1969, logo depois de dezembro de 1968, quando foi promulgado o AI 5. Você vinha para cá e não tinha nenhuma garantia de que não seria preso e torturado, portanto, não sabia se seus alunos estariam na classe e, quando você se dava conta de que alguns não estavam, não ousava perguntar se tinham faltado na aula, se tinham partido para o exílio, se já estavam presos ou se já estavam mortos. E a mesma coisa com relação aos colegas. Tínhamos o pessoal do Dops à paisana nas salas de aula e escutas na sala dos professores e no cafezinho. Éramos vigiados noite e dia.

Eu me lembro que em 1975 a Unicamp fez um congresso internacional de historiadores, e convidou Hobsbawm, Thompson, enfim, a esquerda internacional. Houve as exposições dos brasileiros e os estrangeiros disseram: Nós não estamos conseguindo entender nada do que vocês dizem, não entendemos as exposições e sobretudo não estamos entendendo os debates entre vocês.

Então, nos demos conta que falávamos em uma língua cifrada para não sermos presos. A esquerda acadêmica criou um dialeto, uma linguagem própria na qual dizia tudo que queria dizer e não dizia nada que fosse compreensível fora do seu próprio circulo.

Foi uma forma de autodefesa e uma forma de continuar produzindo, pensando e discutindo. Ao mesmo tempo, essa forma nos fechou num circulo no qual só nós nos identificávamos com nós mesmos. Isso é uma coisa importante, que a Comissão da Verdade traga o fato de você criar um dialeto, criar um conjunto de normas, de regras, de comportamento em relação aos outros, tendo em vista não ser preso, torturado e morto, durante anos a fio.

Costumo dizer aos mais novos que eles não avaliam o que é o medo, pânico. Sair e não saber se volta, sair e não saber se vai encontrar seus filhos em casa, sair e não saber se vai encontrar seu companheiro, ir para a escola e não saber se encontrará seus alunos e colegas. Você não sabe nada. Paira sobre você uma ameaça assustadora, de que tem o controle da sua vida e da sua morte. Isso foi a USP durante quase dez anos, todos os dias. Além das pessoas que iam desaparecendo, desaparecendo… Ao lado das cassações.

Eu teria gostado que a [Eunice] Durham pudesse ter vindo, porque quando ela fez parte da Adusp na gestão do Modesto Carvalhosa, fez o chamado “Livro negro da USP”, que tem o relato de como foram feitas as cassações. As cassações não vieram do alto. As congregações de cada instituto, de cada faculdade, se encarregavam de denunciar, de delatar e de fazer a cassação.

Isso é uma coisa que a Comissão da Verdade precisa deixar muito claro, não foram forças lá de fora que fizeram isso, nem militares. Foram os civis acadêmicos, dentro da universidade, que fizeram uma limpeza de sangue. É uma coisa sinistra, mas foram nossos colegas que fizeram isto.

E, impávidos, quando começou a luta pela volta da democracia, quando começaram as greves no ABC, quando começaram as lutas pela diretas etc e tal, eu ia às assembleias da Adusp e do DCE e ficava lado a lado com muitos deles que estavam ali para fazer a defesa do retorno da democracia, quando eles tinham sido apoiadores da ditadura. E isto não pode ficar em branco. Uma Comissão da verdade tem que dizer isto.

E eu gostaria também, como uma contribuição ao trabalho da Comissão da Verdade, de retornar ao que o Eduardo e a Vera disseram, o fato de que a estrutura da nossa universidade, mais do que a estrutura de outras universidades que conseguiram se desfazer disso, é a mesma que a ditadura – através do MEC e do acordo MEC-USAID – introduziu no Brasil e aqui se cristalizou.

Primeiro, foi feita uma chamada reforma universitária, e essa reforma universitária introduziu a ideia de créditos, a ideia de disciplinas obrigatórias e disciplinas optativas. Como a sustentação ideológica da ditadura era a classe média urbana, era preciso compensar a classe média pela falta de poder econômico e político e a compensação foi através do prestigio do diploma, abriu-se a industria do vestibular, que veio por decreto.

Ou seja, a universidade que vocês frequentam, a universidade que vocês cursam, a universidade que nós damos aula, é a universidade que foi estruturada a partir do Ato Institucional número 5. Em outras universidades, houve força suficiente, do corpo docente, do corpo dicente, para derrubar muita coisa.

A estrutura curricular não, continuamos Brasil afora com disciplinas obrigatórias, optativas, créditos, frequência… A introdução dos créditos significou a escolarização da vida universitária. Em uma universidade você pode fazer duas ou três matérias no máximo e você deve ter duas a três horas de aula por semana para cada uma delas, no máximo.

O ideal são duas matérias, cada uma delas com duas horas semanais para que você trabalhe o que ouviu em classe, vá para as bibliotecas e laboratórios, faça pesquisas e tenha efetivamente uma vida universitária. A reforma feita pela ditadura, ao escolarizar a universidade, transformou-a em um curso secundário avançado, em um colegial avançado. Isso a Comissão da Verdade tem que mostrar, mostrar as datas em que os decretos vieram, as datas de implantação, quem implantou tudo isso, não pode passar em branco também.

Uma outra coisa que é muito importante é o fato de que as contratações dos jovens professores naquele período não eram feitas nem pelos departamentos, nem pelos institutos, mas diretamente pela reitoria. Estou dizendo isso porque quero fazer um complemento depois a respeito da reitoria atual. Como é que a reitoria procedia?

Ela recebia o processo de contratação e mandava para o Dops, para a policia enviar a ficha policial do professor e saber se ele tinha participado de algum movimento. A reitoria queria a ficha policial, que era a ficha política do jovem professor. Em função disso, a reitoria dizia se contratava ou não contratava.

Eu posso fazer um depoimento junto à Comissão da Verdade, se ela quiser, da experiência direta que tive sobre isso. Eu era chefe do Departamento de Filosofia, havia o processo de contratação de um jovem professor e a contratação não saía, os papeis estavam na reitoria e pedi para ser informada do porquê de a contratação não acontecer. Fui empurrada de uma sala para outra sala, para outra sala, e ninguém respondia. Finalmente, fui levada a uma sala ao lado da sala do reitor. Esta sala não tinha janelas, tinha uma porta e duas cadeiras com uma mesinha.

Ali, um senhor, um civil, grisalho, muito bem afeiçoado, me mandou sentar e disse para mim: “Vou explicar para a senhora que esta sala não existe, eu não existo e a conversa que nós vamos ter nunca aconteceu. O professor não pode ser contratado porque ele esteve em um encontro estudantil terrorista, então ele não vai ser contratado, aqui está o processo.” E foi quando eu vi, estava tudo anotado a lápis, com as informações sobre ele vindas do Dops. Ainda me disse: “Eu sei que ele era um lambari, sei que não é um perigo para a segurança nacional, mas ele tem essa ficha e não vai ser contratado.”

E ele foi contratado, evidentemente vocês podem imaginar o barulho que nós fizemos, todo o escândalo que fizemos e o risco que se corria se ele não fosse contratado. Mas, era uma intimidação direta, não tinha algum esconderijo, era direto, na cara. Eu posso, eu tenho o poder, eu faço e você engole.

A manutenção da estrutura da Universidade de São Paulo tal como ela foi feita a partir do Ato Institucional número 5 pela ditadura é algo que tem que ser devassado se nós quisermos democratizar a universidade. Para democratizar nossa universidade, temos que desmontar aquilo que foi feito no final dos anos sessenta e no decorrer dos anos setenta, é uma tarefa imensa que tem que ser feita. E por que ela tem que ser feita? Porque, no momento que há uma hegemonia no estado de São Paulo de um pensamento privatista e de um pensamento neoliberal, a Universidade de São Paulo está sendo regida por estes princípios, por este reitor.

Não é só isso, esse reitor foi formado, teve o aprendizado dele, como dirigente, nesse caldo de cultura da ditadura. Portanto, é essa forma de gestão que explica essa coisa inacreditável, e isso nem a ditadura fez, de por a polícia dentro do campus para espancar os alunos.

E, para encerrar, me disponho a dar meus depoimentos para a Comissão da Verdade. Penso, como os que me precederam, que tem que ser apanhado um período longo, e penso que, como se trata da Comissão da Verdade da Universidade, no caso da Universidade de São Paulo, é preciso contar não só as histórias ligadas à violência de Estado, ao terrorismo de Estado sobre os professores e os alunos, mas a maneira pela qual a universidade foi estruturada para ser um órgão da violência, um órgão do autoritarismo.

Ela foi estruturada com a cabeça da ditadura e é por isso que ela é autoritária. E é isso que a Comissão da Verdade pode mostrar ao desvendar a maneira pela qual essa estrutura foi montada. E Salinas presente, Heleny presente.